"Antes de mudar o mundo, mudar a gente. Ajuda pra caramba..." (Renato Russo)

segunda-feira, 14 de dezembro de 2009

Mas não sei se dará certo...


Responda rápido e em poucas palavras: o que é preciso para que um relacionamento seja saudável e duradouro? A minha resposta seria Tesão e Confiança. Você pode ter pensado em outras palavras (como respeito, química, amor, paixão), mas posso apostar que a sua resposta se aproximou desses dois eixos. (Não? Então se manifeste. Novos pontos de vista são sempre bem-vindos).

É claro que esses dois fatores são altamente relativos e vão ser concebidos de maneiras diferentes de acordo com o casal e poderão oscilar quanto à intensidade e até mesmo o significado por trás de cada um. Dessa forma não irei me prolongar à cerca do que acho que deva ser um relacionamento considerando essas duas “grandezas”, até mesmo porque já fiz isso aqui em várias ocasiões.

Então, a questão mais importante é?

Um Relacionamento precisa mesmo ser Saudável e Duradouro?


Sendo direto: Saudável sim, Duradouro, não necessariamente.

É óbvio que um relacionamento precisa ser saudável. Ninguém, a não ser masoquistas convictos, desejam embarcar em uma relação de brigas constantes pelos menores motivos, cobranças, falta de sexo, entre outros motivos que acabam com qualquer possibilidade de uma agradável vida a dois.

Partindo desse principio, a duração de uma relação deveria estar em total acordo com a saúde do mesmo. E, ao contrário do que muitos pensam, acredito que adoecer uma relação não seja tarefa de longo prazo. Pode acontecer em um mês, uma semana, um dia ou até em uma conversa. E nesse momento, o término é bem-vindo, não importa se você tenha 5 anos ou 2 semanas de namoro (ou até de casamento).

Sendo assim, por que muitos têm medo de embarcar em uma nova relação diante da possibilidade de que ela não dure?

Peço licença ao pessoal do Divã, que estão fazendo um ótimo trabalho na coluna Deitando no Divã, para roubar o trecho de um e-mail enviado por uma de suas leitoras:

Jú de 17 anos diz:

Ele é sempre super atencioso comigo e um amor de pessoa, mas ele é galinha, tipo namora em média uma garota a cada 2 meses, eu não sei se ele quer ser só meu amigo ou quer algo mais, e também obvio que não quero ser mais uma dessas garotas de 2 meses (...). Ele já me convidou várias vezes pra sair,eu sempre dou bolo nele,tenho medo dele tentar algo e eu não resistir, me envolver e depois ele me largar como as outras!


Estou certo de que não é a primeira vez que você vê um caso assim. Então qual é o conselho que você daria à menina?

Peço que preste atenção nessa história

Era uma vez casal que havia se conhecido por acaso através de uma amiga em comum. Ele havia acabado de sair de um relacionamento de anos e ela estava no esquema “balada/pegação/desapego-total-a-qualquer-tipo-de-relacionamento-sério”. O cara também não queria nada sério agora que havia descoberto os prazeres de uma vida de solteiro.

Um belo dia, depois de conversas recheadas de flertes e indiretas eles se pegaram. Se pegar é bem a palavra, já que ambos só queriam curtir o que o outro tinha de bom e pular fora quando aparecesse algo de ruim. Só que o “algo de ruim” não apareceu e eles se pegaram 2, 3, 4, 20 vezes...

E quer saber? Era tão bom que valia a pena continuar. Valia a pena deixar de pegar outras pessoas diante do risco de não poder pegar mais um ao outro. Valia a pena conhecer os pais um do outro. Valia a pena colocar "namorando" no Orkut. Valia a pena dizer que se amavam. Porque viram que já existia algo muito mais forte do que a pegada. E esse algo mais forte fazia valer a pena querer passar mais tempo um com o outro mesmo que não estivessem se pegando.

E depois de quase dois anos continua valendo a pena. E eles sabem bem que quando não valer mais, cada um vai seguir seu caminho sabendo que sem perceber viveram algo tão intenso que será difícil não abrir um sorriso quando lembrarem um do outro...


Percebeu onde quero chegar?

Acredito que seja preciso superar essa coisa de “paixão à primeira vista”, “amor platônico”, “medo de se envolver” entre outros mitos sociais que absorvemos sem refletir sobre eles. Eu honestamente duvido que você continue “apaixonado(a)” por alguém que parecia perfeito, mas que na primeira noite tenha se mostrado um fracasso total. Ou, em médio prazo, revelasse manias com as quais você definitivamente não conseguiria conviver. Não vou entrar com exemplos porque sei que sabe do que estou falando.

Não existe (ou não deveria existir) mágoa em um pé-na-bunda quando se sabe que algo em você não agradou aquela pessoa, afinal, da mesma forma se alguma coisa não lhe agradasse nela você também cairia fora, não é verdade? Se disser que ficaria por pena, vai merecer uma surra de cipó-camarão.

Não é aconselhado envolver sentimentos profundos de apego ao outro no inicio de uma relação. Isso acontece naturalmente com o tempo, mas não é verdade que aconteça de início, a não ser que você permita que aconteça devido a um caso de dependência crônica do outro, que precisa de ajuda profissional para ser tratado. Espero que não seja esse o seu caso.

Portanto, deixar o barco correr suave é a melhor opção. Aproveite o que a pessoa tem a lhe oferecer de melhor e faça o mesmo. Não espere envolvimento imediato e procure não se envolver também.

Em suma: imagine um relacionamento como uma festa: se está boa, você aproveita ao máximo e lamenta muito quando acaba. Se está ruim, você vai embora mesmo tento, talvez, pagado caro pelo convite. No fundo, você sabe que outras festas virão e com elas novas possibilidades.

Então, se você está em uma boa festa, aproveite ao máximo e trabalhe para que ela não acabe. Se a festa está ruim não pense em prolongar sua presença nela. Afinal, o mundo está repleto de festas. Boas e Ruins. Cabe a você decidir se vai perder boas festas por medo de ir em uma ruin.

Pense nisso.

I.A.

14 Comentários:

priscila disse...

E igor hj acordei inspirada e um pouco saudosista, resolvi passar por aqui e em deparei com esse tema... atualmente um tema dificil pra mim por não ter um ponto de vista formado sobre o assunto por varios motivos, mas... vamos ao que interessa!

Eu acho que pra um relacionamento dar certo precisa principalmente de Respeito e Tesão...
e sobre sua duração acho isso um pouco relativo, pois existem relaciomentos de anos que parecem ter apenas poucos dias, porem o pmais importante é ter consciencia é que quando umr elacionamento acaba não foi porque ele não deu certo e sim porque ele deu certo durante o tempo que tinha que dar...
Quando acaba um relacionamento de 4 anos por exemplo não foram 4 anos perdidos ou 4 anos que não deram certo... foram simplismente 4 anos e acabou, por que tinhah qua acabar!!

AE cunhado mto maneiro o texto!!
bj

Guilherme disse...

não precisa ser saudavel e duradouro, nao obrigatoriamente, pelo menos nao o tal do relacionamento casual... Aprende-se muito em cada um, então é bom que se tenha alguns para poder mudar e aprender...


OPEN MIC
Blog de Rimas e Composições
www.gqjunkes.blogspot.com

Click Certo Tchê disse...

mto bom seu blog amigo

gostei msm

parabens

www.clickcertotche.blogspot.com

Marie Curie disse...

Opa, referências ao Divã! Pois bem, vamos lá. Eu acho que essa coisa de "ficar enquanto a festa tá boa, caso contrário, pule fora" é um pouco infantil. De vez em quando precisamos estar do lado das pessoas mesmo quando a coisa está ruim, pois o medo de desagradar pode ser não muito saudável numa relação. A confiança faz parte disso, do ajudar, relevar e estar do lado daqueles que a gente quer ficar do lado. O não sei se dará certo é por que nõa podemos negar que quando um relacionamento acaba, ele deixa uma falta. Mesmo que seja um relacionamento masoquista. E essa falta é encarada de formas diferentes pr várias pessoas. Mas realmente, fazer antecedentes criminais e contrato de namoro é fogo nos dias de hoje! bjus!

Igor André disse...

ainda bem que não levei um puxão de orelha por não ter esperado autorização, Marie.

Acho realmente infantil um cara pular fora de um relacionamento estável no surgimeto da menor tempestade. Mas a metáfora da festa não chega a ser ifantil por dois motivos: o primeiro, é que se refere muito mais a relacionamentos recentes do que longos. O segundo é que não se aplica a pequenas interpéries, mas sim a coisas realmente cronicas, como ciume, cobrança desmedida entre outras coisas que fatalmente irão minar uma relação mais cedo ou mais tarde.

Pri, a sua filosofia de "acabar quando tem que acabar" caim coo uma luva na ideia que quis passar com o texto e o complementou perfeitamente. Se o tema foi "pra você" espero que tenha ajudado.

Abraço a todos

I.A.

Mari(ana) disse...

Gosto do que e como escreve!
Vim aqui para deixar os meus parabéns!

Agora o meu ponto de vista... melhor deixar para lá. Fico feliz em ler... e ponto. rs

beijos

Marie Curie disse...

Olha, quanto ao comentário no divã: sabia que tem sapinhas que fazem exatamente isso: são sustentadas por um sapo, que lhes dá proteção e comida, mas no período fértil ela e mais um monte de outas sapinhas sobem muitos metros de rio só pra pegar o sapinho ricardão do rio!E isso é científico, huahuahauha! Adooro biologia!

Mas sobre o seu post: A gente deixa o povo copiar os posts, é só ser legal, avisar e por a referência, e vc sempre foi certinho, já é de casa! Eu acho que se tiver confiança, dificilmente o relacionamento acaba por bobeira. Eu acho importante mesmo o que u já escrevi no post lá em casa, certeza que vai dar ceto ninguém tem, a única certeza é que depois de acabar um relacionamento a pessoa ainda vai dar a volta por cima. É uma das certezas que eu tenho pra mim! Bjus!

T-Rabbit disse...

Bom blog! Valeu!

Lady disse...

saudável e duradouro...
dificl hein
obrigada pela visita,e pelos consehos rs rs
seguindo

Luciana P. disse...

Olá, Igor, essa coisa de ter receio por um novo relacionamento é meio comum, especialmente quando a pessoa passou por poucas e boas no último envolvimento. O medo é uma resposta natural ao novo, ao que pode vir, ao impalpável. E aí, a entrega é mais demorada, se é que acontece...
O seu texto é bem interessante porque argumenta essa questão e alerta para que não se perca a oportunidade de novos envolvimentos, pois sempre vale a pena tentar...
Muito bom o seu blog. Parabéns pelos textos!

Abraços!

Luciana P.

Kátia Ruivo disse...

Nossa, vc realmente foi direto ao ponto, frio e direto...mas eu ainda acho que sem amor e respeito uma relação não se sustenta...
obrigada pela divulgação do projeto!

beijos

Viiii disse...

Olá Igor, o "cara!" era um elogio, rs.. Mas muito legal seu texto.Você falando assim faz tudo parecer tãão simples!
Realmente é uma boa dica de como se comportar na sociedade, não criar expectativas ou idealizar demais... No entanto essa é uma dificuldade geral, imagino, porque senão, não haveria tantas discussões a respeito do assunto, não é verdade?
bjos, boa semana

Igor André disse...

Olá a todos. Valeu por terem vindo e nem preciso dizer para voltarem sempre. Vou fazer breves comentários sobre algumas coisas que foram ditas aqui.

Mari(ana): Valeu pelos parabens. O Ordem teve que mudar muito para se acostumar com a sua ausencia. Mas ainda não conseguiu...

Marie: Concordo que muitos dão a volta por cima. Exatamente por isso acho que deveriam aproveitar melhor as oportunidades quando surgirem. Eu sou de casa? Opa, otimo, já posso abrir a geladeira rsrsrs (brincadeirinha)

Lady: sim, é muito difícil. Mas quem disse que a vida é fácil? A gente só nào pode correr dela, pelo menos eu acho...

Lu. P.: Disse bem. A entrega pode ser demorada, mas a tentativa não deveria ser descartada.

Kátia. Não sei se tão frio, mas sem dúvida direto. Não me agradeça pela divulgaçao. Eu é que agradeço a iniciativa.

Vii.: Opa, então valeu pelo elogio. rsrs Parece, mas não é simples. Trata-se de uma coisa que já está enraizada na sociedade. Mas mesmo sendo dificil de superar esses mitos, acredito que tentar seja um otimo começo.

Abraço a todos

Igor André

Thaty disse...

Igor, primeiramente venho retribuir a visita que fez ao submundo feminino, nós agradecemos rsrsrs. Segundo qto a idade rsrs somos bem próximos porém a titia aqui ainda leva mais anos no curriculo rs.

Qto aos seus questionamentos, sim acho que deve ser saudavel e com tesão, mas acredito que vai além de coisas que não sabemos explicar, coisas que são sentidas e as vezes manifestadas no dia a dia sem que percebemos, mas que causa um impacto na relação.

Todos os itens citados é claro que devem estar envolvidos, mas não são só eles que mantem um relacionamento(acho).

Agora qdo ele acaba? Dói, machuca, marca, mas passa e como passa, as lembranças sejam boas ou ruins sempre estarão ali, ngm tira, só substitui.
Não me conformava com o fim de nada. Por mais que eu sentisse que era a hora. Por mais que eu quisesse ou precisasse me livrar das coisas. O “acabou” sempre chega ou chegou como se eu jamais tivesse parado pra pensar nele. Cruel, terrível e doloroso além de mim.

Mas hj aprendi que se a vida te mostrou, te trouxe e te levou é pq o que tinha que ser já foi. E viva a vida, afinal algumas pessoas são como nuvens... passam

Bjs e sucesso

Eu?

Minha foto
Cabo Frio, Rio de Janeiro, Brazil

::: O que vejo por aí...

  ©Template Blogger Elegance by Dicas Blogger.

TOPO